Lesões do Manguito Rotador

Tendinite do ombro

Síndrome do impacto 

Anatomia


O ombro é formado por três ossos: o osso do braço (úmero), a escápula (omoplata) e a clavícula. Seu braço é mantido junto ao ombro pelo manguito rotador. O manguito rotador é um conjunto de músculos e tendões que formam uma cobertura ao redor da cabeça do osso do braço e prendem-no à escápula.


Há uma bolsa chamada de bursa entre o manguito rotador e o osso em cima do seu ombro (acrômio). A bursa permite que os tendões do manguito rotador deslizem livremente quando você movimenta o braço.

Lesão no manguito rotador é uma fonte comum de dor no ombro. A dor pode ser o resultado de:


• Tendinite. Os tendões do manguito rotador podem ficar irritados ou danificados.

• Bursite. A bursa pode ficar inflamada e inchar com mais fluido causando dor.
Impacto. Quando você levanta o braço até a altura do ombro, o espaço entre o osso 
do acrômio e o manguito rotador diminui. O acrômio pode impactar o tendão e a bursa, causando irritação e dor.
• Ruptura do tendão. Se o tendão ficar muito danificado ele pode se romper aos poucos ou subitamente após um trauma.


Causas das Lesões do Manguito Rotador


A dor do manguito rotador pode acontecer em todas as idades, mas é mais comum em atletas jovens, pessoas de meia-idade e idosos. Praticantes de esportes como natação e tênis são particularmente mais vulneráveis. Aqueles que fazem levantamentos repetitivos ou atividades que mantenham os braços no alto, como pintor, algumas ocupações na indústria, professores que utilizam lousas também são suscetíveis.

 

A dor também pode se desenvolver como resultado de uma pequena ou grande lesão no tendão que pode aumentar aos poucos devido a esforço repetitivo ou subitamente após um trauma. Às vezes, ocorre sem causa aparente.


Sintomas


A dor do manguito rotador pode aparecer na parte da frente do ombro. Você pode sentir dor e rigidez quando levanta o braço. Também pode sentir dor quando o braço é abaixado de uma posição elevada. Inicialmente podem aparecer poucos sintomas, como:

• Dor noturna
• Perda de força e movimento
• Dor leve em atividade ou repouso
• Dor irradiando para a parte da frente do braço
• Dor súbita ao levantar o braço
• Dificuldade para colocar a mão nas costas


Com o tempo a lesão pode aumentar e consequentemente os sintomas podem aumentar em intensidade, chegando a limitar a realização de algumas atividades com o braço e os movimentos do ombro podem ficar limitados e dolorosos e chegar até perder a capacidade de levantar o braço.

 

Avaliação médica


Depois de discutir seus sintomas e histórico, seu médico examinará seu ombro. Ele verificará se está sensível em qualquer área e se há deformidade. Para medir a amplitude de movimento do seu ombro, seu médico fará com que você mova o braço em várias direções diferentes. Ele também irá examinar a força do seu braço.


Seu médico irá verificar se há outros problemas na articulação do ombro. Ele também pode examinar seu pescoço para se certificar de que a dor não está vindo da região dos músculos do pescoço. eu médico irá testar sua amplitude de movimento do ombro fazendo com que você
mova o braço em direções diferentes.


Exames complementares

 

  • Raios X. Radiografias simples de um ombro com dor no manguito rotador são geralmente normais ou podem mostrar um pequeno esporão ósseo no acromio causador do impacto. Um outro tipo de tendinite dos tendões do manguito rotador chamada de tendinite calcárea pode ser diagnosticada com radiografias simples.

  • Ressonância magnética (RM) e Ultra-som. Esses estudos podem criar imagens melhores de tecidos moles, como os tendões do manguito rotador. Eles podem mostrar líquido ou inflamação na bursa e nos tendões do manguito rotador. Em alguns casos, poderá ser observado ruptura parcial ou total dos tendões do manguito rotador (a mais frrequente é a do tendao supraespinhoso)

Tratamento


O objetivo do tratamento é reduzir a dor e restaurar a função e mobilidade. Ao planejar seu tratamento, seu médico considerará sua idade, nível de atividade e saúde geral. Na maioria dos casos, o tratamento inicial é não cirúrgico. Embora o tratamento não cirúrgico possa levar de várias semanas a meses, ele deve levar a uma melhora gradual.

  • Repouso. Seu médico pode sugerir repouso de atividades como levantar o braço de maneira repetitiva.

  • Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides. Drogas como o ibuprofeno e naproxeno podem reduzir a dor temporariamente.

  • Fisioterapia [1-3] . A fisioterapia inicialmente focará em melhorar a dor e restaurar o movimento normal do ombro. Exercícios de alongamento para melhorar a amplitude de movimento são muito úteis. Se você tiver dificuldade em alcançar as costas, pode ter desenvolvido rigidez da cápsula posterior do ombro (a cápsula refere-se ao revestimento interno do ombro e posterior refere-se à parte de trás do ombro).

  • Alongamento específico da cápsula posterior pode ser muito eficaz no alívio da dor no ombro. Uma vez que sua dor está melhorando, pode-se iniciar um programa de fortalecimento para os músculos do manguito rotador. Exercícios recomendados pelo médico para serem realizados em casa ou na academia também podem ser eficazes [4] .

  • Acupuntura. Acupuntura mostrou ser uma modalidade de tratamento da dor da síndrome do manguito rotador eficaz e sem efeitos adversos [5] .

  • Injeção de Corticoesteróides (cortisona). Se repouso, medicações, fisioterapia e acupuntura não aliviarem sua dor, uma injeção de anestésico local e uma preparação de cortisona podem ser úteis. A cortisona é um medicamento anti-inflamatório muito eficaz. Injetá-lo na bursa abaixo do acrômio pode ajudar a aliviar a dor. Uma revisão sistemática de estudos mostrou que em alguns pacientes a infiltração do ombro com cortisona pode ajudar a aliviar a dor por até 2 meses após a aplicação [6]

Quando o tratamento não cirúrgico não funcionar, dependendo do caso seu médico pode recomendar cirurgia. Se não existe ruptura completa dos tendões do manguito rotador, o objetivo da cirurgia será criar mais espaço para o manguito rotador. Para fazer isso, seu médico irá remover a porção inflamada da bursa. Ele também pode realizar uma acromioplastia anterior, na qual parte do acrômio é removido. Isso também é conhecido como descompressão subacromial (uma raspagem do osso que comprime os tendões do manguito rotador para aumentar o espaço e diminuir o impacto). Esses procedimentos de descompressão subacromial podem ser realizados usando uma técnica
videoartroscópica ou aberta e mostraram serem eficazes em pacientes com síndrome do impacto comparados com o tratamento fisioterápico isolado [7] .

 

  • Técnica artroscópica. Na artroscopia, instrumentos cirúrgicos finos são inseridos em duas ou três pequenas incisões ao redor do ombro. Seu médico examina seu ombro através de um cabo de fibra ótica conectado a uma câmera de video. Ele guia os pequenos instrumentos usando um monitor de vídeo e remove os ossos e tecidos moles. Na maioria dos casos, a borda frontal do acrômio é removida junto com algum tecido bursal. Seu cirurgião também pode tratar outras condições presentes no ombro no momento da cirurgia. Estes podem incluir artrite entre a clavícula (clavícula) e o acrômio (artrite acromioclavicular), a inflamação do tendão do bíceps (tendinite do bíceps) ou uma ruptura parcial do manguito rotador.

  • Técnica cirúrgica aberta. Em cirurgia aberta, o seu médico fará uma pequena incisão na frente do seu ombro. Isso permite que seu médico veja diretamente o acrômio e o manguito rotador. O reparo cirúrgico dos tendões do manguito rotador pode ser indicado se houver ruptura completa de um ou mais tendões do manguito rotador [8-12] (exemplos: lesão ou ruptura de espessura total do tendão supraespinhoso com retração tendínea associado ou não a ruptura do tendão infraespinhoso, lesão ou ruptura de espessura total da porção superior do tendão subescapular ou ruptura de todo o tendão sub escapular) e o paciente apresentar dor e limitação funcional sem melhora com tratamento não cirúrgico inicial, também pode ser indicado logo após uma lesão traumática aguda extensa dos tendões do manguito [13-15] que pode acontecer após uma queda ao solo com apoio da mão e do braço por exemplo. A ruptura parcial muito sintomática também pode ter indicação cirúrgica eventualmente.


Estudos comparando a cirurgia de reparo com o tratamento não cirurgico para pacientes com ruptura tendínea completa (espessura total) do manguito rotador favorecem o tratamento cirúrgico, com melhores resultados principalmente em termos de dor e função após 1 a 2 anos [16-18] . Porém como toda cirurgia existem riscos e complicações descritas e ao longo do tempo existe um risco moderado de desenvolver uma nova ou re-ruptura no manguito.


O reparo (sutura) do tendão rompido pode ser feito através da técnica aberta (uma incisão maior) ou por video artroscopia (pequenas incisões), estudos mostram resultados finais semelhantes entre as duas técnicas [19] . A sutura (reparo) do tendão rompido do manguito pode ser através da técnica de fileira simples ou dupla fileira associada ou não a ponte de sutura, com resultados funcionais semelhantes [20, 21], porém em alguns tipos de lesão pode ter algum benefício o uso da técnica de dupla fileira [21-23] associada ou não a ponte de sutura [23]

Reabilitação

 

Após a cirurgia de reparo, seu braço pode ser colocado em uma tipóia por um período de tempo que pode variar de acordo com o tamanho da sua lesão e a resistência da sua sutura [24], a imobilização prolongada aumenta o tempo para recuperar o movimento do ombro [24] , mas pode diminuir o risco de re-lesão [24], então o ideal é achar um equilíbrio.


Em geral a recomendação é de não realizar movimentos amplos ATIVOS com o braço operado por 6 semanas porque isso pode por em risco a sutura do seu tendão mesmo em lesões pequenas [25] , então um período de 6 semanas de tipóia em geral é recomendado.


Nas lesões pequenas e médias o ganho de amplitude de movimento PASSIVO pode ser iniciado logo na primeira semana após a cirurgia [26], o paciente pode retirar a tipóia uma ou mais vezes durante o dia e realizar movimentos assistidos que não gerem contração dos músculos do ombro. Nas lesões grandes do manguito deve-se ter mais cuidado nas primeiras semanas após a cirurgia porque mesmo os movimentos passivos podem aumentar o risco de re-lesão do mesmo [26].


O seu médico irá fornecer um programa de reabilitação baseado nas suas necessidades e nos resultados da cirurgia. Normalmente leva de 2 a 4 meses para alcançar alívio parcial a completo da dor, mas pode levar até um ano.


Exemplos de exercício para ganho de amplitude de movimento PASSIVO do ombro que podem ser recomendados pelo Dr. Quintino Iamaguchi após a cirurgia de reparo artroscópico do manguito rotador. Poderão ser iniciados na primeira semana após a cirurgia ou após algumas semanas a depender do tamanho da lesão e conforme a orientação dada pelo Dr. Quintino Iamaguchi:

Bibliografia:


1. Senbursa, G., G. Baltaci, and A. Atay, Comparison of conservative treatment with and without manual physical therapy for patients with shoulder impingement syndrome: a prospective, randomized clinical trial. Knee Surg Sports Traumatol Arthrosc, 2007. 15(7): p. 915-21.
2. Kuhn, J.E., et al., Effectiveness of physical therapy in treating atraumatic full-thickness rotator cuff tears: a multicenter prospective cohort study. J Shoulder Elbow Surg, 2013. 22(10): p. 1371-9.
3. Baumer, T.G., et al., Effects of Rotator Cuff Pathology and Physical Therapy on In Vivo Shoulder Motion and Clinical Outcomes in Patients With a Symptomatic Full-Thickness Rotator Cuff Tear. Orthop J Sports Med, 2016. 4(9): p. 2325967116666506.
4. Abdulla, S.Y., et al., Is exercise effective for the management of subacromial impingement syndrome and other soft tissue injuries of the shoulder? A systematic review by the Ontario Protocol for Traffic Injury Management (OPTIMa) Collaboration. Man Ther, 2015. 20(5): p. 646-56.
5. Rueda Garrido, J.C., J. Vas, and D.R. Lopez, Acupuncture treatment of shoulder impingement syndrome: A randomized controlled trial. Complement Ther Med, 2016. 25: p. 92-7.
6. Cook, T., et al., Are corticosteroid injections more beneficial than anaesthetic injections alone in the management of rotator cuff-related shoulder pain? A systematic review. Br J Sports Med, 2018. 52(8): p. 497-504.
7. Farfaras, S., et al., Subacromial Decompression Yields a Better Clinical Outcome Than Therapy Alone: A Prospective Randomized Study of Patients With a Minimum 10-Year Follow-up. Am J Sports Med, 2018. 46(6): p. 1397-1407.
8. Lahteenmaki, H.E., et al., Repair of full-thickness rotator cuff tears is recommended regardless of tear size and age: a retrospective study of 218 patients. J Shoulder Elbow Surg, 2007. 16(5): p. 586-90.
9. MacKechnie, M.A., et al., Repair of full-thickness rotator cuff tears in patients aged younger than 55 years. Arthroscopy, 2014. 30(10): p. 1366-71.
10. Mall, N.A., et al., Outcomes of arthroscopic and open surgical repair of isolated subscapularis tendon tears. Arthroscopy, 2012. 28(9): p. 1306-14.
11. Nathani, A., K. Smith, and T. Wang, Partial and Full-Thickness RCT: Modern Repair Techniques. Curr Rev Musculoskelet Med, 2018. 11(1): p. 113-121.

12. Parnes, N., N.R. Bartoszewski, and M.J. Defranco, Arthroscopic Repair of Full-Thickness Rotator Cuff Tears in Active Patients Younger Than 40 Years: 2- to 5-Year Clinical Outcomes. Orthopedics, 2018. 41(1): p. e52-e57.
13. Lahteenmaki, H.E., et al., Results of early operative treatment of rotator cuff tears with acute symptoms. J Shoulder Elbow Surg, 2006. 15(2): p. 148-53.
14. Namdari, S., R.F. Henn, 3rd, and A. Green, Traumatic anterosuperior rotator cuff tears: the outcome of open surgical repair. J Bone Joint Surg Am, 2008. 90(9): p. 1906-13.
15. Haviv, B., et al., Arthroscopic rotator cuff surgery following shoulder trauma improves outcome despite additional pathologies and slow recovery. Knee Surg Sports Traumatol Arthrosc, 2018.
16. Piper, C.C., et al., Operative versus nonoperative treatment for the management of full-thickness rotator cuff tears: a systematic review and meta-analysis. J Shoulder Elbow Surg, 2018. 27(3): p. 572-576.
17. Lambers Heerspink, F.O., et al., Comparing surgical repair with conservative treatment for degenerative rotator cuff tears: a randomized controlled trial. J Shoulder Elbow Surg, 2015. 24(8): p. 1274-81.
18. Moosmayer, S., et al., Comparison between surgery and physiotherapy in the treatment of small and medium-sized tears of the rotator cuff: A randomised controlled study of 103 patients with one-year follow-up. J Bone Joint Surg Br, 2010. 92(1): p. 83-91.
19. Carr, A., et al., Effectiveness of open and arthroscopic rotator cuff repair (UKUFF): a randomised controlled trial. Bone Joint J, 2017. 99-B(1): p. 107-115.

20. Nho, S.J., et al., Does the literature support double-row suture anchor fixation for arthroscopic rotator cuff repair? A systematic review comparing double-row and single-row suture anchor configuration. Arthroscopy, 2009. 25(11): p. 1319-28.
21. Ying, Z.M., T. Lin, and S.G. Yan, Arthroscopic single-row versus double-row technique for repairing rotator cuff tears: a systematic review and meta-analysis. Orthop Surg, 2014. 6(4): p. 300-12.
22. Millett, P.J., et al., Clinical and structural outcomes after arthroscopic single-row versus double-row rotator cuff repair: a systematic review and meta-analysis of level I randomized clinical trials. J Shoulder Elbow Surg, 2014. 23(4): p. 586-97.
23. Hein, J., et al., Retear Rates After Arthroscopic Single-Row, Double-Row, and Suture Bridge Rotator Cuff Repair at a Minimum of 1 Year of Imaging Follow-up: A Systematic Review. Arthroscopy, 2015. 31(11): p. 2274-81.
24. Houck, D.A., et al., Early Versus Delayed Motion After Rotator Cuff Repair: A Systematic Review of Overlapping Meta-analyses. Am J Sports Med, 2017. 45(12): p. 2911-2915.
25. Kluczynski, M.A., et al., Does Early Versus Delayed Active Range of Motion Affect Rotator Cuff Healing After Surgical Repair? A Systematic Review and Meta-analysis. Am J Sports Med, 2016. 44(3): p. 785-91.
26. Kluczynski, M.A., et al., Early Versus Delayed Passive Range of Motion After Rotator Cuff Repair: A Systematic Review and Meta-analysis. Am J Sports Med, 2015. 43(8): p. 2057-63.

 

 

 


 

 

Agende sua Consulta Online 
se preferir          
11 3021-4155
ou ainda preencha o formulário.

Horários de atendimentos

Segunda a Sexta das 8h às 18h

Sábado das 8h às 12h (Acupuntura)

whatsapp-icone.png

Este site tem objetivo educativo e informativo, mas não substitui a orientação fornecida por seu médico, com base em avaliação própria para cada caso.

2018 por Consutti para Clínica Iamaguchi